Como se proteger do frango contaminado com Salmonella

salmonella frango brasil
Foto: Shutterstock

O frango produzido no Brasil que está sendo rejeitado no Reino Unido devido a contaminação da bactéria Salmonella está voltando para o Brasil, sendo processado e colocado à venda nas prateleiras de supermercado. A revelação foi feita após uma investigação conjunta do site Repórter Brasil em parceria com o jornal britânico The Guardian e pelo Bureau of Investigative Jornalism.

the guardian salmonella frango
Denúncia foi feita na Inglaterra pelo jornal The Guardian

Segundo a reportagem “entre abril de 2017 e novembro de 2018, mais de 1 milhão de aves congeladas (ou 1.400 toneladas) foram vetadas nos portos do Reino Unido por não atenderem aos padrões sanitários europeus – mais rigorosos do que os verificados por aqui”.

Quando chega no Brasil o produto contaminado tem duas destinações: a parte considerada pelo critérios locais como perigosa à saúde é cozida e destinada a fabricação industrial de subprodutos como salsichas, nuggets, linguiças e mortadela de frango; a parte que nos padrões locais não apresentam risco à saúde vão para os balcões in natura. O grande problema é que a parte considerada perigosa é de menos de 1%. Ou seja, mais de 99% do frango vai para o balcão com Salmonella e tudo.

bureau investigative jornalism salmonella frango
ONG de jornalismo investigativo auxiliou na investigação.

Ministra Salmonella

A Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, confirmou que o Reino Unido devolveu 1,4 mil toneladas de frango ao Brasil em razão de ter sido detectada a presença de samonella nos produtos. Em entrevista coletiva no dia 03 de julho ele tentou minimizar o episódio e disse que retornaram “apenas 17 contêineres foram devolvidos, sendo um por problema de refrigeração”.

“A quantidade de exportação do frango brasileiro é enorme. Só 17 contêineres vieram com Salmonella. Dois tipos só que têm problema para humanos. Isso [a denúncia] é desserviço aos produtos brasileiros”, declarou a ministra à Agência Brasil.

Segundo a autoridade, o frango contaminado poderá ser vendido no mercado interno depois de “termoprocessado”, mas não explicou o que isto significa, podendo ser cozido ou simplesmente congelado.

Afronta ao consumidor

No Brasil, testes realizados pelo Ministério da Agricultura mostram que cerca de 18% da carne de frango apresentam algum tipo de contaminação por salmonela – o que está dentro dos limites legais, já que a regulamentação brasileira tolera até 20% de contaminação. Na Europa, o percentual de aves contaminadas é de apenas 3,3% , segundo o órgão europeu responsável por segurança alimentar, o EFSA (European Food Safety Authority).

“Esse tipo de prática é um grande desrespeito aos consumidores brasileiros, que são expostos no mercado a produtos de pior qualidade por conta do menor nível de exigência sanitária no país. Isso pode trazer consequências negativas à saúde da população”, afirmou a nutricionista Ana Paula Bortoletto, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) na reportagem do Repórter Brasil.

Cozimento funciona?

Uma Nota Técnica do Ministério da Agricultura, publicada em março deste ano diz que “as Salmonellas conseguem crescer em ambientes com temperaturas entre 5°C e 46°C e têm uma temperatura ótima de crescimento em torno de 38°C, são extremamente resistentes ao 2 resfriamento e congelamento mas, no entanto, são destruídas quando submetidas a um tratamento térmico acima de 70°C, temperaturas obtidas durante o cozimento completo”.

Por seu lado o Ministério da Saúde explica no seu site que alguns cuidados podem prevenir a infecção por Salmonella, destacando que “a carne deve ser bem cozida ou assada”.

Conselhos de saúde

Segundo postagem no site do Minsitério da Saúde, a” Salmonella pode causar dois tipos de doença, dependendo do sorotipo: salmonelose não tifóide e febre tifoide. Os sintomas da salmonelose não tifóide podem ser bastante desagradáveis, mas a doença geralmente é autolimitada entre pessoas saudáveis (embora possa levar à morte em alguns casos). A febre tifóide é mais grave e tem uma taxa de mortalidade maior que a salmonelose não tifóide.

Sintomas

As infecções por Salmonella não tifóide têm como sintomas:

  • Vômitos.
  • Diarreia.
  • Febre moderada.
  • Dor abdominal.
  • Mal estar geral.
  • Cansaço.
  • Perda de apetite.
  • Calafrios.

Esses sintomas podem surgir entre 6 e 72 horas (usualmente entre 12 e 36 horas) após o consumo do alimento contaminado e costumam permanecer por cerca de 2 a 7 dias, até a completa recuperação do paciente. O contato com alguns animais infectados (incluindo animais de estimação) também pode transmitir a doença, se logo depois as mãos não forem lavadas. Os sintomas também variam de intensidade de acordo com a quantidade de alimento contaminado ingerido e o nível de contaminação do alimento.

As infecções mais graves acontecem em pessoas idosas e em crianças, devido à sensibilidade do sistema imunológico. Pessoas com o sistema imunológico comprometido, como transplantados ou portadores da Aids/HIV, também podem apresentar quadros mais graves da infecção por Salmonella (Salmonelose).

O Ministério da Saúde recomenda:

  • Lave sempre as mãos regularmente, principalmente antes, durante e após a preparação dos alimentos;
  • Beba somente água tratada e leite pasteurizado ou fervido;
  • Mantenha ovos sob refrigeração e dê preferência para seu consumo cozido;
  • Evite consumir alimentos à base de carne crua ou mal passada, até mesmo os industrializados;
  • Redobre a atenção com o preparo e cozimento da carne de frango e galinha;
  • Lave bem verduras, legumes e frutas em água com hipoclorito de sódio: para 1 litro de água, coloque 1 colher de sopa de água sanitária por 15 minutos e depois lave os alimentos em água corrente;
  • Alimentos como frangos não devem ser lavados quando estão crus, pois os microorganismos presentes podem se espalhar pela pia, contaminando utensílios e outros alimentos que estiverem por perto;
  • Ao final do preparo, sempre lave e desinfete todos os utensílios e equipamentos de cozinha utilizados.

VEJA TAMBÉM OS RISCOS ALIMENTARES DECORRENTES DE AGROTÓXICOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Como se proteger do frango contaminado com Salmonella”