Ketchup caseiro

Facebooktwittergoogle_plusredditmail
Print Friendly, PDF & Email

A grande maioria das coisas que hoje se compra em latas, pacotes e embalagens industrializadas, um dia já foram receitas caseiras. Muito antes de haver tubinhos já se fazia caldo de galinha, conservas naturais já existiam muito antes dos enlatados. E o próprio ketchup já foi uma receita doméstica.

O ketchup teria, segundo livros e a Wikipedia, tem origem chinesa e pegou um atalho para o ocidente pela Malásia. Originalmente era a base de cogumelos, mas ganhou a sua versão de tomate nos Estados Unidos. Muito antes de ser o molho de hambúrgueres e batatas fritas, acompanhava peixes, lá na China, e era chamado de ketsiap, depois, já na Malásia virou kechap, que significa gosto.

A receita

Mas o que importa é que o molho de tomate cai bem nos sandubas, no acompanhamento de carnes e em tantas outras coisas. É bom, mas pode ser melhor se não for cheio de estabilizantes, espessantes, conservantes, corantes e tantos nomes de químicos que assustam qualquer um.

Para fazer o molho em casa vamos precisar de poucos ingredientes. Para fazer um pote de uns 300ml vamos precisar de:

– Seis tomates grande bem maduros.

– Uma cebola roxa média.

– Três dentes de alho.

– Um pedação de gengibre (mesmo volume do alho).

– Suco de um limão.

– Três colheres de sopa de açúcar mascavo.

– Uma colher de chá de colorau.

– Uma colher de chá de páprica, picante ou doce, a seu critério (opcional).

– Sal e pimenta a gosto.

– Um fio de azeite de oliva.

Fazer é fácil

Numa panela (se for grossa ou de ferro é melhor) coloque um fundo de azeite e refogue a cebola picada e logo o alho e o gengibre, bem picados. Logo mais junte o açúcar, o colorau, a páprica e o suco de limão. Tempere com sal e pimenta.

Deixe refogar bem e entre com os tomates, que devem ter sido triturados em liquidificador, com casca e sementes.

Aí é deixar o fogo trabalhar. Assim que levantar fervura baixe bem o fogo e deixe a cozinhar por cerca de uma hora, mexendo as vezes para não pegar no fundo. No meio do cozimento passe tudo pelo liquidificador (ou use um mixer) para triturar o que houver de sólido e volte para panela.

Deixe cozinhar até chagar a uma textura quase pastosa. Pronto. Agora é deixar esfriar e se esbaldar.

Claro que não vai ter aquela cor vermelha rutilante dosa corantes, mas vai ter sabor de tomate, adocicado, profundo, com todos os requisitos para incrementar seus pratos sem aditivos químicos.

Na geladeira ele aguenta bem uma semana.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*