Ossobuco a Giampaolo

Facebooktwittergoogle_plusredditmail
Print Friendly, PDF & Email

Às vezes as receitas chegam a nós de forma muito inusitada. Aprendi a fazer ossobuco com o médico Giampaolo Possamai, homeopata e acumpunturista, que um belo dia, no meio de uma sessão de acupuntura discorreu animadamente sobre medicina chinesa, explicando que ela preconiza que devemos comer algo correspondente ao orgão que temos enfermo.

– Gastão, teu problema é na medula óssea. Tu tens que comer tutano. Ossobuco é remédio!, disse ele rindo alto, transbordando bom humor e afeto.

Dali pra adiante recitou a forma como sua vó, na itália, preparava este pedaço da perna do boi cortado transversalmente para que se tenha um pedaço de osso recheado de tutano e contornado por boa porção de músculo.

Giampaolo faleceu e esta receita ficou como uma lembrança alegre entre muitas que deixou. É um prato ideal para compartilhar com bons amigos como foi o próprio Giampaolo, sem pressa. Desta vez saboreamos o Ossobuco a Giampaolo com queridos joinvilenses Jouber Castro e Rayana Borba.

Preparo

O primeiro passo é fazer pequenos cortes nas laterais da peça para romper a membrana externa que faria a carne ficar retorcida ao aquecer. Aí tempera-se cada um dos ossobucos dos dois lados com sal, pimenta moída e raspas de limão. Enfarinha-se rapidamente e passamos cada pedaço por uma frigideira quente para selar em ambos os lados. E reserva-se numa panela de borda alta.

Depois de selar os ossobucos refoga-se na mesma frigideira cebola e pimentão vermelho (usamos meia cebola para cada pedaço). Junta-se o refogado aos pedaços de carne, com mais uma boa quantidade de talos de salsão e cenouras picados miúdos. Incrementa-se o tempero com folhas de louro (duas ou três), páprica picante, ervas secas e alho a seu gosto.

Para cozinhar cobrimos a carne com vinho tinto seco (gosto de usar merlot) e uma lata de tomates pelados.

Daí para a frente é deixar levantar vervura e baixar o fogo. Mexe-se de vez em quando durante uma três horas, até que a carne comece a soltar dos ossos, e que o tutano dos mesmos comece a se desmanchar e engrossar o molho.

O resultado será uma carne desfiando e um molho espesso e forte. No caso usamos o molho para regar uma boa massa e uma polenta.

 

One Comment

  1. Oi, achei seu blog procurando por receitas e acabei de ler esse post falando que o meu pai que te ensinou, fiquei mto feliz, obrigada por me fazer abrir esse sorriso hehehe… enifm só quis compartilhar isso mesmo!! beijoss

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*