Omelete possível

Facebooktwittergoogle_plusredditmail
Print Friendly

Antes que me acusem de adesismo ao cardápio ou ao governo da presidente Dilma (Não escrevo presidenta nem a pau!), esclareço que omelete era a única possibilidade numa noite chuvosa em que os ingredientes e a energia do cozinheiro estavam escassos.

Sozinho em casa enfrentei o desafio de me virar com o que havia na geladeira, e uma boa fritada de ovos pareceu a solução mais racional e potencialmente apetitosa.

Usei um quarto de cebola para fazer a base. Refoguei-a picadinha na frigideira com um pouco de azeite. Deixei quase queimar, porque eu queria que ela oferecesse um pouco de crocância ao resultado final.

Numa tigela coloquei:

– Três ovos (eram bem miúdos)

– Meio tomate picado (só a poupa)

– Um pouco de salsinha picada

– Duas fatias de presunto cartadas em tirinhas

– Duas fatias de queijo prato, também em tirinhas

– Um pouco de queijo parmesão ralado

– Sal e pimenta

Cairia bem uma colheradas de leite, para afofar a omelete, mas já disse que não havia muita coisa disponível.

Os ovos foram batidos e mexidos junto com os ingredientes, para que a mistura ficasse homogênea.

Com as cebolas no ponto desejado e foi tudo para a frigideira que estava bem quente. Logo que espalhamos bem os ingredientes. Com muita paciência e fogo bem baixo deixamos o calor fazer o seu trabalho lentamente até o ovo ficar todo cozido (embora eu prefira ele mal passado). Não se vira a omelete, apenas se dobra, como um envelope.

Eu nem ia postar esta ocorrência culinária, mas quando senti que a coisa estava bem resolvi fotografar (logicamente sem o capricho e o talento da Soninha) e contar esta aventura.

Ficou surpreendentemente delicioso, úmido com textura interessante. Para o “omelete possível” ficou bom demais.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*