Postas de lombo recheadas com castanhas e damasco

Facebooktwittergoogle_plusredditmail
Print Friendly

No sábado chuvoso é muito legal ficar na cozinha e fazer alguma coisa que exija um pouquinho mais de tempo. Logo cedo coloquei um pedaço de lombo suíno numa marinada bem básica com suco de limão, um pouco de vinho branco seco, um pouco de shoyo, sal e pimenta. Não investi nas ervas porque o meu plano passava por realçar o sabor da carne em contraste com um recheio com sabores desafiadores.

Já perto do meio dia preparei o recheio:

– um pedacinho de bacon picado bem miúdo;

– meia cebola picada miudinha;

– um punhado generoso de castanhas do pará;

– quatro damascos secos;

– um punhado de salsinha picada.

Na frigideira derreti o bacon até quase virar torresmo. Acrescentei a cebola até murchar, e logo em seguida as castanhas picadas (na verdade coloquei num saco plástico e bati com um martelo de carne) e, finalmente, com o fogo desligado, o damasco picado bem pequeno e a salsinha.

Dividi o lombinho em duas postas de uns três dedos de larguras e pela lateral fiz uma incisão cuidadosa, abrindo a posta como se fosse uma pequena tigela. Nas cavidades coloquei colheradas fartas do recheio e reguei com a marinada, especialmente sobre o recheio.

As postas foram para uma forma cobertas com papel alumínio e a forma ao forno pré-aquecido em temperatura máxima. Aos 20 minutos retirei o papel alumínio e reguei com um pouco mais da marinada. Mais dez minutos e ficou prontinho.

Para acompanhar, batatas noissete. Com um boleador fiz as bolinhas de batatas que foram lavadas e secas com um pano. Depois foram para a frigideira com o fundo coberto de manteigas e um pouquinho de azeite de oliva. Temperadas com sal e pimenta, foram mexidas vez que outra até ficarem douradas por igual.

Resultado: o damasco, embora usado com parcimônia, cumpriu seu papel de adocicar o recheio e estabelecer contraponto ao defumado salgado do bacon. A castanha, além de sabor deu uma textura interessante, especialmente quando comida junto com a carne. A carne, aliás, deve-se cuidar para que não resseque, para que mantenha sua suculência.

 

One Comment

  1. genial! deu água na boca! quero provar…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*